fones noturnos

cada nota ao piano é um soco, um beijo na nuca
e a caixa que oca bate, ora é doce, ora arde
tais senhores de terno orquestrando minha mente

de onde surgiu tão irreverente, maluca?
me faz navegar pelas memórias até tarde…
revivendo momentos de noites mais quentes

que sopra devagar no meu ouvido
canto que ora sobe, ora cai
que o âmago da alma atrai

revela profundo em mim contido
ao sax, à lua, o medo, o stress
por isso, pra sempre te amarei
pra sempre e por essa noite
querido jazz.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s