Um leve incentivo

Li em algum lugar, alguma vez, nesses artigos científicos meia boca, sabe? Li que um ‘dom’ só representa 10% de uma habilidade, e os outros 90% representam treinamento. Quando li isso, levantei da cadeira e gritei: HEREGES! COMO ASSIM, as sinfonias de Mozart eram 90% de esforço? Impossível. Eu aqui fico martelando minha guitarrinha e não sai nem um arpeggio.

Ok, vida que segue. Mas de um tempo pra cá, eu percebi que essa história dos 90% é algo concreto na minha vida. Acho que todas as coisas que eu sei fazer (quase) bem, foram fruto de muito esforço físico e mental, porque não achei até hoje meus 10% intrínsecos. Na verdade, a gente faz isso o tempo todo, essa história dos 90%. Você também faz, uai… Porém, com atividades prazerosas, treinar é algo divertido também!

Chego à infeliz conclusão que nem tudo o que fazemos é legal… Mas a história dos 90%, novamente, também funciona!
Desbloqueie sua mente antes de fazer qualquer atividade! Pensamentos como: “não estou conseguindo” ou “não estou entendendo nada” são barreiras que nós mesmos criamos. Na maioria das vezes, isso é um sinal de preguiça mental (temos isso todos os dias, só lembrarmos de situações em que colocamos nossas ações no ‘automático’). Esforce-se, você consegue!

Obs: odeio livros de auto ajuda.

Advertisements

Mt 23:12

Percebi hoje que me tornar menor me torna mais feliz. Nessas muitas divagações sobre essas muitas coisas, percebi que me calar e ouvir é muito mais interessante do que externar o que eu já sei que eu sei. Até onde vai, vaidade, hãm? Já me avisaram que lá de cima, nossas grandiosidades estão ainda abaixo do sol. Pensei então. É tão mais prazeroso discutir com o próprio ego, fazendo das pessoas apenas figurantes desse grande longa-metragem estrelado pelo Eu? Eu não sei. Talvez, se eu ouvisse mais, Eu saberia. Mas você sabe como Eu sou. Eu gosto de mostrar pra todos os mEus quereres, saberes e poderes.
Mas me aquietei um pouco, busquei sabedoria… Quando Eu me vi sozinho, percebi também que Eu na verdade é eu, que sou eu. E pensando nisso, vi quão efêmero é esse Eu e que eu, eu mesmo, nasci para a eternidade. Senhor, prefiro eu contigo do que Eu sem ti.