nós

trecho da música Encontro, Oficina G3
Um nó, dois nós
Eu, mais um ou mais, um ser simplesmente
O eu poético do verdadeiro encontro
Nó, no plural, nós
Se o nó é na garganta e um de nós aflito
O outro sossegado, erudito, tem o antídoto
E assim, sucessiva, alternada
E alternativamente, amigos
Do saber, no lazer, no ócio e no labor
Buscando o equilíbrio, temperante
Dás-me que dou-to todo meu ser
Todo meu querer ser
Todo ouvido, havendo ouvido
E por seus conteúdos movido
Cada indivíduo vai e ver vir ávido dizer...
Conte comigo!

um poema com o título de “amor”

o amor é algo engraçado
é engraçado porque não é algo forçado
como minhas palavras no teclado
as vezes são pensadas, mas sempre…
espontâneas.

amor, espontâneo,
espontâneo como essa palavra “espontâneas”,
espontâneo como as mulheres…
mesmo que as conheça, que ame-as
pensará:
NÃO ENTENDO O QUE TU QUERES!

ah, mulheres…
se vocês imaginassem o holocausto de flores
as madrugadas de rimas
Ah…
Quantos amores não consumaram amores, mulheres?
No fundo, no fundo, são apenas meninas.

O momento mais puro
(e o mais inseguro)
Paixão dos saudosistas
Gênese dos artistas.
Momento de esperança,
Amor puro, desinteressado
De uma criança por quem está ao seu lado

Me diz, amado, onde mais acharás tu
amor desinteressado?
Chave de algemado,
Vigor de aleijado,
Amor de sangue derramado…
Cê tá ligado que eu to ligado.

Mas por outro lado…

Não vá achando que amor é algo assim,
escritível,
descritível.

Não cabe em prosa,
não é nem uma rosa,
muito menos mar.
Se te perguntarem o que é o amor,
o que você vai falar?
Nada de clichês poéticos
como esse que digito,
eu diria que amor é
…um troço esquisito.

Amor não é prosa,
Não é rosa,
Não é mar.
Não é clichê,
Não é você,
Nem pensar.

Amor é uma rima que destoa.

Nessa vida

Texto por Gabriel, o Pensador

A vida é uma caixinha de surpresas
E quantas surpresas ela traz pra nossa vida!
E quanta vida nós ganhamos de presente
nessa caixa de surpresa e de chegada e de saída!
Ponto de encontro e despedida
A vida é uma estrada de subidas e descidas
Essa estrada estranha que parece tão comprida
Mas que passa tão de pressa com essa pressa suicida
Pressa que me apressa quando eu desço na banguela
Forte feito o Mickael do Skate na favela
Solto na ladeira eu solto o freio de mão
E ando sem as pernas porque eu tenho coração
Eu vou com o coração e com o coração eu vôo
Eu vou de coração e com o coração eu dôo
o meu próprio coração e a vida que ele tem
que também foi doação, que eu recebi de alguém
– O presente valioso que é viver
Que a gente ganha e perde sem perceber
Que a gente adora e não sabe agradecer 
Ou agradece e se esquece de fazer por merecer.

A vida é uma carta sobre a mesa
E quantas tristezas ela obriga que eu suporte!
E quantas jogadas nós erramos realmente
nesse jogo de azar e sorte, nascimento e morte?
A gente fica sem saber o que dizer
Mas tudo que acontece é porque tem que acontecer
E o neném que vem e o que vai sem nem nascer
trazem uma mensagem que é difícil de entender
São uma lição que é difícil de aprender
Têm uma missão e são como têm que ser
Perfeitos feito o Mick e feito nós
Cada um de um jeito, cada um com a sua voz
O surdo-mudo, o maluco e o cantor
No riso de alegria ou na lágrima de dor
Seja como for, nós fazemos uma parte
E se vivemos aprendemos uma arte
– A arte milagrosa que é viver
Que a gente aprende e ensina sem saber
Que a gente entende mas não sabe descrever
Ou então escreve e se esquece de dizer.

A vida é uma espécie de brinquedo
E quantas verdades ela esconde em seus segredos!
E quanta bondade nos escapa pelos dedos
nessa luta entre amor e ódio, coragem e medo!
A vida é um livro sempre aberto
De páginas em branco feito as dunas de um deserto
Pegadas apagadas pelo vento que despista
Imagens e miragens que confundem a nossa vista
Fantasias e bandeiras coloridas
Máscaras! prontas para serem vestidas
Frases feitas – sob medida
E mentiras para serem desmentidas
A vida é uma idéia ou um verso
Vagando pela mente inexistente do universo
Que a gente quase sente quando acorda todo dia
Com a lama ainda calma e a mente mais vazia 
– O sentimento simples que é viver
Que a gente pira e respira sem querer
Que a gente ama e não sabe explicar
Ou tanto explica que se esquece de simplificar

Já que tenho forças, pra somar e dividir
Enquanto estivermos aqui
Estaremos fortes, navegando até o fim
Nessa vida
                  Cheia de surpresas boas!

Já que tenho forças, pra somar e dividir
Enquanto estivermos aqui
Estaremos fortes, navegando até o fim
Nessa vida
                  Cheia de surpresas ruins!

Já que tenho forças, pra somar e dividir
Enquanto estivermos aqui
Também tenho amor, e mantenho a luz acesa
Nessa vida
                  Cheia de surpresas.
                  Cheia de belezas.