desabrochar

me desculpa mas,
alguma coisas são realmente difíceis de se explicar…
você sabe que eu falo melhor por sois, lás, rés
então, por favor, não estranhe quando você me encontrar
gaitano no quarto, rindo sozinho,
com semblante de quem está indo
encontrar alguém tão especial.
aquele alguém que muda suas concepções,
inverte as estações,
algo além de apelos e emoções…
algo real.

e como chegar lá?

um fechar de olhos é meu passaporte
e caso minhas forças falhem, e o caminho eu não suporte
sei que esse alguém do meu lado
compartilhará esse fardo pesado.

com a destra, divide o peso comigo
com a canhota, me toma ao colo.
e assim ensina-me que amar não é possuir,
mas vejo que sem ele, é construir muro sem tijolos.
(mas quão ruim meu cimento é!)

a morte é que trouxe vida, isso não faz sentido
a não ser, claro, para poetas
e em tempos do ‘olhar para o próprio umbigo’
em lugares de certezas incertas,
ele veio, me colocou nos braços
e me disse: filho.

desculpai pai, desculpai
sou carbono, e é tão difícil não me ligar
à matéria impura, pai
minh’alma é flor ainda dormida
que apenas pela morte que traz vida
poderá desabrochar.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s